neo concepts
Contos Eróticos da vida real
atreva-se a publicar o seu e surpreenda-se com o feedback (agora 100% abertos)
  

Conhece um conto erótico digno de ser partilhado?


O Seu Nome* : O Seu Email* :   * Deseja Receber Notificação? :
* O SEU EMAIL NUNCA será divulgado ao público. Serve apenas para você receber as notificações do seu conto.

Obrigatório: Qual o título deste conto:  

Palavra Chave/TAG 1:    escreva 4 palavras/tags que definam o seu conto,
Palavra Chave/TAG 2:    o seu conto ficará associado a estas palavras chave.
Palavra Chave/TAG 3:   
Palavra Chave/TAG 4:   

Associar uma Imagem:    Opcional. Pode associar uma imagem ou foto ao seu conto. Imagens de Sexo explícito são proibidas.
Categoria Temática:

Descreva pormenorizadamente o seu conto erótico.
Anti-spam* (ESCREVA APENAS OS 3 SÍMBOLOS A PRETO):      captcha image   



MINHA IRMÃ JULIA




Último post na Rede Social para adultos
"Par Compatível 18+". Faça a sua conta. É Grátis:

simao publicou o seguinte:
em Dupla Penetração
Uma dupla de oferta para vc
Este post tem 15 fotos.
Clique na foto para ver o resto deste album.


Este conto foi lido 33386 vezes.
Depois de ler este conto, porque não uma visitinha a estes desabafos Sexys:

Confissão: calcinha gozada
Eu confesso que eu e meu marido, nos últimos tempos estamos com um tesão fora do normal. Aprendi que...

Publicado em 19 April 2014 | 11:43 am
Confissão: Quero dar o cú para minha esposa
Eu confesso que estou com vontade de levar no cú pela minha esposa, imagino ela me segurando com fir...

Publicado em 19 April 2014 | 11:29 am


E agora... O conto de PIKA GROSSA :

MINHA IRMÃ JULIA
(Meu nome Carlos tenho 28 anos, tenho uma irmã com 18 anos. Minha história é justamente a respeito dessa minha irmã) muito desenvolvida para sua idade em todos os sentidos, tem um corpo maravilhoso, por várias vezes ganhou concursos para rainha em sua escola e até já recebeu propostas para fazer propaganda na televisão.
Sempre vi minha irmã como realmente deve ser, sempre a achei linda mas nunca me passou pela cabeça olhá-la como mulher, porém de uns tempos para cá Júlia começou a andar pela casa de calcinhas ou de camisola, comecei a sentir algo muito estranho pela minha irmã, principalmente porque ela só age assim quando nossa mãe não esta por perto. No começo pensei se tratar apenas de coincidência, mas com o passar do tempo fui percebendo que poderia não ser.
Esta situação começou a me causar certo desconforto e comecei a lutar contra meus instintos que teimavam em responder toda vez que aquilo acontecia, mas era de esperar ser inútil, só que eu não queria chamar a atenção dela com medo de que tudo fosse coisas de minha cabeça doentia. Teve uma noite eu me levantei de madrugada com sede, depois de tomar água na cozinha ia voltando quando ouvi passos na escada. Era Júlia usava uma camisola muito curta e transparente e uma minúscula calcinha. Parei e fiquei olhando-a descer faceiramente, vi a silhueta dos seios ainda em formação e os biquinhos pontudos com aquela aureola cor de rosa. Respirei agoniado sentindo que estava perdendo o controle.
— Oi maninho! – ela parou e sorriu – To com sede, ta calor essa noite, não ta?Não consegui sequer respirar e fiquei eriçado quando ela se aproximou e me deu um abraço. Sentir o calor do corpinho macio foi à coisa mais espetacular que me aconteceu, mas saí apressado sem falar nada ou deixar que ela falasse e passei o resto da noite com aquela imagem brincando com meus pensamentos.
Nos dias seguintes passei a evitar maiores aproximações, pois não tinha o direito de ter aquele tipo de pensamentos e nem de sentimentos com minha irmã. Pensei até mesmo conversar com nossa mãe, mas a dúvida que tinha sobre aquilo me fez esquecer poderia ser apenas fantasia minha e aquilo que eu imaginava bem poderia não ser verdadeiro. Mas o destino é cruel e apronta coisas na vida da gente que não podemos evitar.Uma semana depois daquela noite minha mãe falou que Selma – uma amiga dela – nos havia convidado para passarmos uma semana em sua fazenda que fica há pouco menos que 200 km da cidade.
Fomos recebidos por Selma e por um casal de amigos seus, que também estavam passando uma temporada na fazenda. Estávamos alegres e brincamos muito tanto na viagem quanto quando chegamos. Conversamos e eles nos falaram do banho numa cachoeira que fica há uns três quilômetros da sede da fazenda e combinamos irmos para lá depois do almoço. Tudo estava correndo direito, parecia que Júlia tinha esquecido o seu joguinho de sedução. O lugar é um verdadeiro paraíso e fomos em dois carros e quando lá chegamos nos deliciamos com o banho, com a animação e com as brincadeiras do grupo. Não sei por que, mas Isabela – esposa de Joaquim – pareceu estar dando em cima de mim e eu deixei a coisa rolar sem que ninguém tivesse percebido os esfregões e, em algumas ocasiões, passadas de mãos tanto dela quanto minha. Era finzinho da tarde quando resolvemos voltar e, por azar do destino, nosso velho gol enguiçou e nada no mundo o fez ligar novamente.
— Deixa aqui que ninguém vai mexer – Selma falou – Vamos todos no carro do Joaquim...
Passamos para o outro carro que, devido o número de ocupantes, ficou lotado e quando me dei conta Júlia estava sentada no meu colo. Foi como se me ligassem a uma tomada, sentir o contato do seu corpo fez meu pau começar a subir, pensei num monte de coisa, mas não houve maneira de fazê-lo retroceder e eu sabia que minha irmã, com aquele biquíni que mais a deixava nua que a vestia, iria sentir com certeza o volume que se formava em sua bundinha. E sentiu, vi quando ela se ajeitou para senti-lo melhor, colou seu rostinho ao meu e começou a se mexer propositadamente, quando olhei para ela estava com os olhos fechados e mordia os lábios numa atitude bem sexy. Não resisti, não quis resisti e deixei a coisa acontecer e viver o momento e comecei a fazer movimentos lentos, mas continuados que era como se eu estivesse me masturbando roçando na bundinha de Júlia o que me dava um enorme prazer.
Tentei prestar atenção para as conversas sem muito sucesso, pois era uma loucura sem fim o que eu estava fazendo. A estrada de terra e os movimentos do carro ajudava a esconder meus movimentos e, a cada novo buraco na estrada, eu aproveitava para esfregar mais e com mais força, Julia também parecia estar gostando muito do que fazíamos. Eu estava quase gozando e dei graças a Deus quando alguém contou uma piada que todos riram. Segurei a cintura de minha irmã e gozei alucinadamente manchando meu calção de banho. Foi providencial todos rirem naquele momento, pois não escutaram os meus gemidos de prazer.
Quando finalmente chegamos a casa já estava tudo escuro e esperei que todos saíssem, pois a mancha no meu calção era muito grande. — Minha perna também ta melada maninho... – Julia falou baixinho – Olha!
Arrebitou a bundinha e pude ver que ela estava toda esporrada. Apressamos-nos para tomar uma ducha numa bica que tinha na área antes de entrarmos para nos trocar. Eu tinha ido longe demais e passei a noite toda morrendo de remorsos. Tinha quer por um fim naquela loucura, não era certo agir daquele jeito com minha Irma.
No dia seguinte – domingo – foram todos para a vila assistir a missa da manhã e dei por desculpa para não ir junto o carro quebrado.Julia ainda não acordou...Era a oportunidade para ter uma conversa com minha irmã e por um fim naquilo que estava acontecendo. Esperei que ela acordasse e tomasse café para convidá-la pra ir comigo buscar o carro.
— Queria conversar contigo... – criei coragem e falei sério. Se for pelo que aconteceu ontem pode ficar despreocupado... – deu um risinho maroto – Adorei-te sentir gozando viu?Fiquei parado piscando, não era aquilo que queria dizer e nem aquela a resposta que eu esperava.
— Tava puta da vida contigo... – continuou segurando minha mão – Pensa que não vi tua sacanagem com aquela... Aquela sem vergonha? Mana? – fiquei espantado, não desconfiava que alguém tivesse visto alguma coisa – Ela é casada e... E não aconteceu nada!
— Qual é seu Carlos? Pensa que não vi quando ela passou a mão no teu cacete? E tu? Pensa que não vi passando a mão no rabo dela?Você não viu nada... Não aconteceu nada... Ela me olhou sorrindo e me deu um abraço apertado.
— Pois é seu Carlos... – sussurrou no meu ouvido – Tu pode até ter feito sacanagem com ela, mas foi comigo que tu gozou... – deu uma mordida no lóbulo de minha orelha. Aquilo derrubou tudo o que eu tinha planejado falar.
— Olha maninho... – se afastou e olhou dentro de meus olhos – Não sou... Não sou mais. Virgem... Achei um absurdo ela me falar aquilo, senti vontade de dar-lhe uma lição de moral, mas com que moral depois do que eu tinha feito?
— Sabe mano... Tenho o maior tesão por você... – ela parou e ficou me olhando – você pode até querer brigar comigo, mas eu tenho a maior vontade de transar com você... Julia?! – tentei falar, mas ela colou sua boca na minha e meteu a língua dentro da minha boca. Fiquei sem ação, não sabia o que responder. Mesmo nos meus mais loucos sonhos nunca antes tinha imaginado isso acontecer. Sabe maninho... No início eu achei que eu estava louca de ter esse desejo, mas andei lendo sobre isso e descobri que não sou a única... – respirou fundo e eu piscava nervoso – Tem muita irmã que transa com o irmão, inclusive descobri de Márcia e o irmão dela...
— Isso não tem cabimento Julia?
— Eu sei que tu também me queres, tu me desejas... – voltou a me encarar séria – E não é de ontem não... Não sei o que me passava pela cabeça naquele momento. E ela tinha razão ao afirmar que eu a desejava como mulher, que tinha o maior tesão por ela mesmo sendo seu irmão.Olha mano... – senti sua mão entrando na minha bermuda e o toque de seus dedos delicados em meu pau – Nunca ninguém vai saber disso, é um caso só entre eu e você.Não dava pra continuar lutando contra meus desejos, contra meu instinto de macho desejando ela, minha irmã, minha fêmea.
— Julia... Minha irmanzinha... – joguei pros quintos dos infernos toda e qualquer amarra que ainda pudesse existir. Ela pegou minha mão e colocou sobre seus seios pequeninos. Eu estava aceso ardendo de desejos e puxei minha filha e nos beijamos como dois animais, lambi seu pescoço, meti a língua em sua orelha e ela gemia baixinho apertando e fazendo caricias em meu cacete.
Julia tentava tirar minha bermuda, estava calma enquanto eu, nervoso e tremulo arranquei sua camisa e comecei a lamber os peitinhos pequeninos. Ela fechou os olhos e suspirou de prazer enquanto conseguia, por fim, tirar minha bermuda e soltar meu cacete duro e dando pulinhos. Não me importava se pudesse aparecer alguém, nada me interessava a não ser o desejo pecaminoso de possuir minha irmã. Depois de tirar minha bermuda ela tirou a dela e se deitou no chão, debaixo de uma árvore frondosa.
— Teu pau é grande... – ela falou baixinho – Tadinha da tua noiva. Riu e abriu os braços. Vem... Me fode...
Abriu as pernas e pude ver a xoxotinha com poucos cabelinhos ralos e macios, os grandes lábios brilhavam ensopados pelo líquido que minava de dentro dela. Ajoelhei-me entre suas pernas e fiquei olhando, enlouquecido de desejos, aquela preciosidade me aguardando.
— Vem maninho, mete em mim, mete...
Mas eu não quis ir logo aos finalmente, precisava sentir seu aroma e seu sabor e passei a língua na pequena abertura vermelho fogo. Minha irmã estremeceu ao contato de minha língua e gemeu baixinho arqueando o corpo fazendo a pelves colar em meu rosto, lambi os grandes lábios e mete a língua sentindo o sabor salobro tomando conta de minhas papilas, era divinal o sabor.
— Ai mano... Ui maninho... – ela gemeu segurando meus cabelos e esfregando meu rosto em seu sexo. Continuei lambendo e sugando sua bocetinha até sentir que ela estremeceu e se jogou para cima como se querendo que eu entrasse em seu corpo, pelo sexo. Vira pra cá... – ela pediu depois de alguns instantes. E virei, e passei minhas pernas sobre seu corpo sem deixar de saborear o sabor sem igual de sua xoxota. Ela segurou meu cacete, passou a língua pela glande antes de abocanhar e começar a me chupar e ficamos naqueles 69 loucos até ela voltar a gozar fazendo meu rosto ficar lambregado com seu suco vaginal. Não dava mais para esperar, estava louco de desejos e voltei a ficar de joelhos entre suas pernas. Julia me olhava, seu rosto parecia de um anjo. Segurei minha pica e pincelei na entrada da vagina totalmente arreganhada, as pernas afastadas grotescamente para receber o irmão, para ter o pau do irmão dentro da xoxota.
— Espera... Mete devagar... – ela fez careta de dor, por certo meu pau era mais grosso que o pau que tinha tirado sua virgindade,
Aliviei a pressão, esperei que ela acostumasse com a cabeça entalada entre os grandes lábios. Mete... Devagar... Isso... Hum!... Hum!...
E fui metendo e tirando, metia fazendo força e retirava para aliviar a pressão e não fazê-la sentir dor, mas sem querer perdi o apoio da mão e meu pau entrou de roldão até nossos corpos se espremerem.
— Aiiii! – ela deixou escapar um grito de dor.
Parei e olhei no seu rosto e vi uma máscara de dor, de sofrimento e sua boca aberta, escancarada e agoniada e os olhos assustadoramente abertos. Tentei sair, mas ela tinha me abraçado com as pernas e senti seus calcanhares pressionando minha bunda, olhei para entre suas pernas e pude ver a bucetinha deformada com meu pau entalado dentro dela.
— Ui irmãozinho... Ta doendo... Tá doendo...
Mas ela não parou de pressionar meu corpo com sua perna. Espera... Não mexe... Espera... – empurrou meu peito – Tu és muito grande maninho... Espera...
Esperei até ver que seu rosto não mais tinha aquela expressão de dor, de sofrimento e que havia um semblante carregado de desejo.
— Olha maninho... Olha... – levantou a cabeça e aliviou a pressão dos pés em minha bunda – Ta todinho dentro... Olha maninho, olha!
Olhei e fiquei admirado e preocupado, pela primeira vez, de que eu pudesse ser muito grande para ela. Mas ela queria, desejava me ter dentro dela por mais grande e grosso que fosse o meu pau.
— Vai maninho... Mete tudo... – pediu – Eu agüento, mete... Dei uma ultima estocada, um ultimo movimento brusco até sentir que tinha tocado em algo dentro dela, mas ela sorria deliciada por ter conseguido realizar seu desejo, seu sonho que também era o meu sonho. Fiquei parado, pressionando meu corpo ao dela e lembrei que até minha noiva, às vezes, reclamava da grossura de meu pau. Mas ela não! É certo que ela gritou que sentiu dor, mas agüentou com bravura e desejo todo meu cacete dentro da bucetinha pequena que estava mais deformada ainda, cheia com minha pica.
— Puta merda Carlos... – ela sorriu – Pensei que ia parti em duas... Puxou-me e nos beijamos apaixonados, nossas línguas se tocavam, chupávamos nossos hálitos, nossas línguas, nossas bocas eram a certeza de que era isso que realmente queríamos que realmente desejássemos. E comecei a foder minha irmã, tirava e metia bem devagarzinho sentindo toda extensão de sua buceta enquanto nossas bocas se comiam.
— Isso maninho... Fode gostoso... Como tua irmãzinha...
Aquela ultima palavra ficou zoando dentro de minha cabeça. Eu estava comendo minha irmãzinha, e como ela se remexia debaixo de mim, fazia movimentos ondulatórios sentindo nossos sexos roçarem em uma entrega sem restrições e sem medos.
— Vai maninho... Vai... Goza dentro de mim, quero sentir tua gala me enchendo todinha... Era muito mais do que eu poderia imaginar ser possível. Estava fodendo uma fêmea sedenta de desejos e tremula pelos gozos repetidos que estava tendo, comecei a estocar mais forte e ela gemia baixinho a cada explosão de minha pelve à dela. Não dava mais para segurar e ela delirava, me olhava dentro de meus olhos e sentia que estava quase gozando e sorria como nunca a tinha visto sorrir. Era um sorriso de mulher e não de, uma garotinha. E eu olhava para sua xoxotinha, admirado por estar me recebendo e proporcionado gozos sem fim em minha irmã.
— Diz que eu sou gostosa... Diz que minha buceta é gostosa, diz... – pedia baixinho entre suspiros e gemidos – Diz maninho, diz que eu gosto, diz... – e olhava bem dentro de meus olhos com um semblante que transmitia também paz – Fala maninho... Me chama de tua putinha... Ui! Ui!
E ela fechou os olhos e se jogou de encontro a mim, e gemeu, e mordia os lábios, e suspirava agoniada.
— Gostosa... maninha gostosa... Meu... Meu... Meus Deus...
Deixei escapar um gemido alto e segurei o gozo, não queria explodir assim tão ligeiro, queria senti-la mais, dar-lhe tanto prazer quanto os que eu mesmo estava tendo. Sabia que ia encher a bucetinha de minha irmãzinha de gala ela gemeu forte e gritou alto ao sentir meu pau se avolumando, quase explodindo e seu corpinho estremeceu em espasmos enquanto eu metia e metia com força, quase que com raiva, fazendo o corpo de minha irmazinha estrebuchar.
— mano... maninho... To gozando maninho... To gozando com tua pica. – não era a voz de minha irmã, era estranho, quase rouca – Não pára, não pára... Isso... Assim... Fode... Isso maninho....Parecia estar tendo um ataque epiléptico, o corpo estremeceu em convulsão e seu corpo ficou todo arrepiado.
— Fode maninho... Fode tua irmãzinha... Tua putinha.... Ai meu Deus... Como é gostoso... Ui!... Ui!...
E eu, completamente ensandecido, dava estocadas violentas. Estava louco, louco de desejos. Ela se jogou para cima tentando levantar meu corpo, querendo que meu pau entrasse mais e mais. Tu és muito gostosa, minha putinha amada... – falei depois de quase cinco minutos quase desfalecido em cima dela.
Julia respirava agoniada, as narinas dilatadas e os sopros mornos que saiam de sua boca explodiam em meu rosto e ela caiu de costas, parecia desfalecida, mas no rostinho um sorriso de mulher saciada, e eu sentia ainda as contrações da sua buceta após o gozo.
— Ai meu maninho... Ai meu... Meu... Meu macho....
Tinha segurado o máximo, não mais ia conseguir reter o gozo e explodi em rios de gala que encheu todos os mínimos espaços da bucetinha de minha irmã.
Fiquei dentro dela e beijei seu rosto e nos beijamos na boca, Não falei nada, não tinha o que falar, mas tinha consciência de que o que acabamos de fazer era uma loucura, uma grande e gostosa loucura.Depois de alguns momentos – que pareceu uma eternidade – senti seu corpo voltar a mexer, senti seu corpo fremido ao meu dizendo que ainda não estava satisfeita, que queria mais assim como eu também queria. E, agora totalmente alagada meu pau entrava e saia com facilidade e continuamos fodendo até gozarmos novamente, dessa fez juntos.
Quando, por fim, tirei o pau de sua buceta pude ver a quantidade de esperma jorrando de dentro dela, um líquido esbranquiçado e gosmento jorrando em pequenas golfadas escorrendo por entre suas pernas e melando o cuzinho róseo. Fiquei olhando a pequena cachoeira minando daquela pequena xoxota com poucos cabelinhos macios. Foi um espetáculo impagável, uma verdadeira obra de arte.Depois desse dia nunca mais deixamos de transar.



#5705 Comentários - 30-09-2011 - 06:50 AM por PIKA GROSSA - Diversos - Confirmo, É EXCITANTE (44) - Nota negativa! (5)
Remover dos Favoritos
Enviar a um Amigo
Este conto já foi visto antes

Contamos com a sua decisão. Você leu a totalidade deste conto? Gostou? Não?

Agradecemos que faça a sua votação. Clique num dos links em cima.
Clique em "Confirmo, É EXCITANTE" se gostou do conto ou clique em "Nota negativa" se não gostou. por favor faça-o em consciência. Obrigado pela sua participação.

Comentários dos usuários:

Nota: O site Contos Eróticos (contoseroticos.mundopt.com) não se identifica com os comentários aqui publicados. Os comentários são da inteira responsabilidade dos seus autores e podem ser removidos sem aviso prévio. Se você encontrar aqui algum comentário que considere que ultrapassou todos os limites, por favor clique no link "Relatar" para o reportar à administração. Obrigado.
meu deus eu gozei de tanto ler xtex conto....#1 - 07-10-2013 - 07:16 AM por Wayne - reportar abuso
Maravilhoso! Cheio de detalhes do jeito que eu gosto, amei demais! #2 - 20-08-2013 - 09:04 PM por Abe - reportar abuso
E bom cumer a irma eu recomendo pra todos os irmao#3 - 04-02-2013 - 05:03 PM por Lucas - reportar abuso
E bom cumer a irma eu recomendo pra todos os irmao#4 - 04-02-2013 - 05:03 PM por Lucas - reportar abuso
o melhor conto que jà li espetacular .bem escrito#5 - 24-01-2013 - 07:39 PM por Netto - reportar abuso
poraa kr vc me encheu de desejo de comer minha irma porra eu ja sinto tesao por ela e fiko lendo isso vo caba comendo ela mesmo#6 - 23-01-2013 - 06:37 PM por anonimo - reportar abuso
adorei#7 - 20-01-2013 - 08:12 PM por tonhao - reportar abuso
cara vei loco mano cria vergonha#8 - 09-01-2013 - 11:02 PM por henrique - reportar abuso
nossa q menina loca tranzar cm o irmao #9 - 15-12-2012 - 05:20 PM por jaine - reportar abuso
ainda vou arregaçar o cuzinho da minha a minha#10 - 14-12-2012 - 06:30 PM por 007 - reportar abuso

Coloque aqui o Seu Comentário sobre este conto:

Seu Nome:

Comentário:

Código anti-spam:      (reescreva o código à esquerda)